Bancada do Paraná não abre mão de um leilão de menor tarifa de pedágio para as rodovias do Anel de Integração

“A tarifa mais baixa é a nossa pauta, até convencermos o governo federal. Hoje temos um sistema misto, com limite de desconto e cobrança de cessão onerosa", explica o Líder da Bancada do Paraná deputado federal Toninho Wandscheer.

11/03/2020 às 10:40:53 | 361 visualizações



O deputado federal Toninho Wandscheer (PR) junto com a Bancada do Paraná participou nesta terça-feira (10) de reunião, em Brasília, com o diretor-presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Arthur Luis Pinho de Lima, para debater a modelagem da nova concessão das rodovias paranaenses.

"A tarifa mais baixa é a nossa pauta, até convencermos o governo federal. Hoje está encaminhado um sistema misto, com limite de desconto e cobrança de cessão onerosa", explica o Líder da Bancada do Paraná deputado federal Toninho Wandscheer.

O estudo de modelagem para a nova concessão das estradas paranaenses é de responsabilidade da EPL em parceria com o Internacional Finance Corporation (IFC) e deve ser entregue até julho. A concessão pode ser por outorga (ganha quem oferecer mais dinheiro ao governo) com valor do pedágio já definido no edital; por menor tarifa ao usuário; ou por modelo híbrido (combinando pagamento de outorga e menor valor de pedágio).

A ideia debatida por deputados estaduais em fevereiro e mencionada por Wandscheer é o modelo de outorga com até 12% de desconto permitido sobre a tarifa anunciada na licitação. Esse modelo impediria o superdesconto obtido no leilão do último dia 21 de fevereiro da BR-101, entre Florianópolis e a divisa com o Rio Grande do Sul, com leilão feito pelo menor preço.

Os parlamentares entendem que um modelo de outorga, como o atual em vigência até novembro de 2021, faria a cessão onerosa ser paga indiretamente pelos usuários. 

Os deputados também buscam incluir novos trechos além dos acertados previamente, para aumentar de 2,5 mil para 4,1 mil km de rodovias concessionadas. "É necessário colocar o trecho de Guarapuava a Campo Mourão até a Boiadeira (BR-487) cortando o centro do estado", comenta Wandscheer.

Redação PROS na Câmara